quarta-feira, 21 de novembro de 2012





Não sei o que seria de mim sem as Farc, diz guerrilheira holanda

ADALBERTO ROQUE
DA AFP, EM HAVANA

A guerrilheira holandesa Tanja Nijmeijer, que integra a delegação das Farc que participa das negociações de paz com o governo colombiano em Havana (Cuba), afirmou que não imagina a sua vida fora da organização insurgente, à qual aderiu há uma década.

"Não posso voltar atrás nem quero voltar atrás", disse Nijmeijer, filóloga de 34 anos, em entrevista exclusiva à AFP na Praça da Revolução, em Havana, diante da imagem do guerrilheiro argentino-cubano Ernesto Che Guevara, a quem "todos os membros das Farc adoram", disse.

"Sinto-me realizada como guerrilheira das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e não sei o que teria sido de mim. De repente seria dona de casa, teria três filhos, estaria divorciada, mas isso não teria me realizado da forma que me realiza ser guerrilheira", acrescentou a holandesa, que está em Cuba desde 5 de novembro passado.



Única integrante europeia conhecida da guerrilha das Farc, Nijmeijer ganha um brilho nos olhos quando fala da chegada, há mais de uma década, à guerrilha mais antiga da América Latina, considerada organização terrorista por Washington e pela União Europeia.
"Estou nas Farc porque é a forma de luta que o povo colombiano escolheu, porque não lhe restou outra opção a não ser lutar com armas", afirmou Nijmeijer, que tem como nome de guerra 'Alexandra' e que, na guerrilha, faz trabalhos de tradução, comunicação e ensino do marxismo.
"No fim das contas, o que me motivou para estar nas fileiras das Farc é que concebo a luta 'fariana' [das Farc] como um centro de luta no mundo e penso que o povo colombiano é uma vanguarda de luta", acrescentou, falando um espanhol fluente, com sotaque colombiano.
Ela admitiu que "foi muito dura" sua adaptação à vida na guerrilha e, sobretudo, "à cultura do camponês colombiano. "Tem sido um sacrifício, por um lado, mas me sinto muito realizada e muito contente de estar nas fileiras" das Farc. "Estou há dez anos casada com o Exército do povo e estou me saindo muito bem", afirmou.

DIÁLOGO

Nomeada pelas Farc uma de suas delegadas para o diálogo com o governo do presidente Juan Manuel Santos, que está no seu terceiro dia consecutivo, no Palácio das Convenções de Havana, Nijmeijer assegurou que a organização guerrilheira está preparada para lutar pela paz "com ou sem fuzil".
"Nós lutamos com fuzil ou sem fuzil e estamos aqui em Havana para lutar sem fuzil. Queremos lutar por um processo de paz, queremos que o povo colombiano possa viver em paz", disse Nijmeijer, a integrante da delegação insurgente mais perseguida por jornalistas da América Latina e da Europa em Havana.
"Para mim é uma honra estar aqui, uma honra poder contribuir com o processo de paz na Colômbia, e, quanto a Cuba, aqui me sinto bem, Cuba é linda", afirmou Nijmeijer, que teve a nomeação como porta-voz interpretada como um golpe de imagem das Farc no exterior.
A guerrilheira, que viajou a Cuba depois que a Promotoria colombiana suspendeu duas ordens de captura contra ela, uma pelo crime de rebelião e outra com fins de extradição, espera que através das negociações "por fim se possa fazer a paz" na Colômbia, mas "uma paz com justiça social, com educação para todo o povo".
Nijmeijer é acusada nos EUA do sequestro, em 2003, de três empreiteiros americanos, que foram libertados em uma operação das forças militares da Colômbia, em 2008, juntamente com a ex-candidata à Presidência Ingrid Betancourt, de nacionalidades colombiana e francesa.

PROTESTOS

Nijmeijer, que afirmou em Havana o desejo de viajar à Holanda para explicar "o porquê da luta na Colômbia", elogiou os movimentos dos "indignados" em todo o mundo, cuja luta considerou "muito importante".
"Quero parabenizar todos os jovens do mundo que estiverem lutando neste momento, aos operários na Grécia, a todos os movimentos sociais que há no mundo, porque estas lutas são muito importantes nesta época", disse a guerrilheira.
Este diálogo que governo e as Farc celebram em Havana é a quarta tentativa de paz entre as partes. O processo conta com o apoio de Noruega e Cuba, como países garantes, e de Venezuela e Chile, como acompanhantes.
Na Colômbia opera também a guerrilha guevarista Exército de Libertação Nacional (ELN), que pode começar também um processo de paz com o governo Santos, segundo declarou o grupo insurgente em um comunicado publicado na segunda-feira da semana passada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por ter deixado um recado...volte novamente para podermos trocar experiências e novidades...beijao!!!